Chapeuzinho Vermelho: estória e desistória - Lólio de Oliveira

Ontem (25 de maio 2010) estava doente, a crise de sinusite havia piorado no decorrer do dia e cheguei em casa com uma tremenda vontade de dormir e acordar boa! Tentei! Mas em menos de trinta minutos o telefone toca e depois de atendê-lo não consigo mais dormir.
As dores estavam fortes, mas ao chegar na sala e deparar-me com o livro comprado no dia anterior em um sebo a curiosidade me salta aos olhos e mesmo com dor de cabeça abro o livro e começo minha viagem.

Isso mesmo, agora com "Chapeuzinho Vermelho: estória e desistória" nas mãos me vi em outra situação. Lendo lentamente para poder se concentrar na leitura e esquecer de tudo (das dores e dos barulhos dos vizinhos) agora estou no meio de uma trama policial. Começo a imaginar os personagens, os lugares descritos e tudo que ali era mencionado. Recordo-me das inúmeras versões que já li desta história no último ano e me questino o tempo todo sobre o final desta trama.

De início, havia pensado em ler apenas um capítulo por dia, mas mergulhei tanto na viagem que fiz apenas 4 pausas (uma para a janta, outras duas para tomar remédios e a última para tomar um banho) antes de saber o desfeche da história.

Gostaria até de resumir a obra aqui, mas acredito que isso tiraria o charme da história. O que posso dizer que aguce seu desejo de ler? Bom, vamos lá!

Trata-se de uma versão que parte da história da Chapeuzinho Vermelho na versão dos irmãos Grimm, depois inicia-se a desistória, que é justamente a trama policial/criminal que busca saber quem foi o assassino da avó da Chapeuzinho.

O autor teve sucesso na produção do texto, pois sua escrita consegue prender a atenção do leitor nas inúmeras aventuras percorridas pelos personagens envolvidos. Mas

a questão central é caracterizar os personagens de maneira que todos são suspeitos. O leitor terá que prestar atenção aos mínimos detalhes da cena do crime para descobrir quem de fato é o assassino, qual a razão do assassinato e quantas pessoas estavam presentes.
Além disso, o que posso afirmar é que o livro vale a leitura de cada palavra (e também cada centavo que paguei por ele, mesmo que tenha tido a sorte de encontrar essa maravilha por um preço super acessível, embora tenha comprado para presentear, nada me impediu de viajar com o autor nesta versão do clássico antes de destiná-lo as mãos da pessoa que me apresentou ao mundo de versões de Chapeuzinho).


Edição de 1987
Editora Hucitec

Sinopse:
Um pouco de conto policial, um pouco de humor e muita imaginação fazem desta versão de Chapeuzinho Vermelho uma espécie de jogo para o qual o autor desafia seu leitor - ambos se divertindo muito, certamente . Os irmãos Grimm provavelmente gostariam de ver que o tema de sua estória pode ser retomado de maneira tão intricante como é feito na desistória de Lólio L. de Oliveira.

Confira:
Site da editora: http://www.hucitec.com.br/loja/produtos_descricao.asp?lang=pt_BR&codigo_produto=3024

Publicações sobre as versões de Chapeuzinho Vermelho:
http://www.ivetando.pro.br/publicacoes.htm
  • Digg
  • Del.icio.us
  • StumbleUpon
  • Reddit
  • Twitter
  • RSS

2 Response to "Chapeuzinho Vermelho: estória e desistória - Lólio de Oliveira"

  1. Anônimo Says:
    4 de dezembro de 2012 16:37

    Quem disse que Lólio de Oliveira é o autor da estória de chapeuzinho vermelho? Ele apenas a traduziu para o português.
    É uma estória contada por um alemão Êphobo tostes

  2. Gabriela de Amorim says:
    7 de dezembro de 2012 21:13

    Olá Anônimo!
    Quem disse? O livro! Eu li ele, e já na capa é possível conferir essas informação...
    Mas de qualquer forma, agradeço a informação que repassas!
    Muito obrigada por sua contribuição!

Postar um comentário

Seja bem vindo!
Sempre que acessar o blog, deixe seu recado!
Ele é muito importante e também motiva nosso trabalho!
Obrigada pela visita!